lovslyy
711 notes
reblog
6276 notes
reblog
41 notes
reblog

Se dizia não se importar, mas sempre quando ele ia embora ela chorava.

31 notes
reblog
2697 notes
reblog
“É como ter sono e não querer dormir por medo de acordar no dia seguinte. É como querer sair de casa e não querer ver gente. Dar marcha ré querendo ir para norte, sem bússola, sem mapa, sem sul. A contradição é maravilhosa quando não se tem borracha. Ela fica ali, impregnada e do jeito que ficar, colou. Sem correção, sem gramática… São só vontades que um dia alguém calou. Embebido numa overdose que tem gosto de certeza, dispenso as seringas e os papéis enrolados de pó. Eu dispenso tudo o que for menos louco que você, que me contrarie menos que o desejo de te ver e logo em seguida apagar para que ninguém mais veja. A tua morte é que minha memória também te sente. E nela você é imortal, como o paradoxo do meu amanhecer. Eu não preciso mais da tua carne, da tua cama, dos teus contornos. É o braile da minha sede que te desenha, mas não quero a água. Você nunca será capaz de compreender um andarilho que morre ao lado do oásis, por medo de comer areia e miragens. É isso. Medo. O medo de te deixar foi tanto, que te deixei, para não ter que deixar. É como queimar a língua após uma sopa quente. Eu não tenho paladar, mas eu ainda tenho fome. E é a fome que me dá prazer, não mais a comida. Mas a fome também é ruim. Com o sabor, eu perco o prazer da fome. Eu como por comer. Eu perco o sabor da sede e eu bebo por beber. Eu perco a beleza da tristeza e sou feliz por culpa da futilidade da felicidade. Eu perco a graça da loucura e sou racional só pelo fato de não ser quadrúpede, relinchar ou cacarejar. Eu grito, eu grito, eu grito, EU GRITO, eu grito. Mas o mundo é surdo e mímico, o mundo é minimalista, o mundo é minúsculo, o mundo é o amanhã, o mundo é contraditório. Eu morro longe de mim pra você não descobrir que já vivi, e só vivi pra te matar dentro de mim. Eu morro, sim, eu morro. E acordo amanhã, sem ter pelo que chorar.”
Cinzentos.   (via extinta)
29 notes
reblog